https://www.facebook.com/ http://pensador.uol.com.br/colecao/masgalos/

domingo, 25 de janeiro de 2015

A grande maravilha da Lei é que ela responde a cada um conforme sua natureza.

A grande maravilha da Lei é que ela responde a cada um conforme sua natureza. 
Ela responde aos nossos movimentos com a mesma exatidão com que um espelho reflete nossa imagem. 
Se nossa imagem no espelho é feia, a culpa não é do espelho, mas de nós que somos feios. Se formos bonitos, a imagem será bonita. 
Da mesma forma, o tratamento que recebemos da Lei depende do que somos e fazemos Se somos bons e obedientes, ela responderá com bondade. Mas, se somos maus e rebeldes, ela nos ensinará o que temos de aprender, com a dor. Cada um pode escolher seu método. Dentro da Lei, porém, todos ternos de viver. O que dela receberemos, em troca das nossas ações, depende da posição em que nos situamos diante da própria Lei.
Já vimos qual o papel que o Evangelho tem de representar quando não queremos tornar-nos anjos, mas permanecer demônios. Cada um, olhando para dentro de si, pode saber a qual dos dois grupos pertence e, por conseguinte, o tratamento que receberá por parte da Lei. 
Por isso, os bons, se e verdade que podem ser esmagados pelo mundo, nada têm a temer de Deus; ao passo que os maus, se podem por um momento vencer no mundo, muito têm a temer por parte da justiça de Deus, que os constrangerá a pagar até o último ceitil. É muito mais seguro e vantajoso ficar do lado de Deus do que do lado do mundo.
 Que valem e podem os recursos do mundo em comparação com os de Deus? Que poderá e quererá fazer o mundo para nos defender, quando a ele nos escravizamos?
 E que poderá e quererá fazer Deus para nos defender, quando Lhe pertencemos? 
Eis que vemos brilhar, no fundo do grande quadro da Lei que estamos descrevendo, a resplandecente apoteose final dos bons, não importa se desprezados e condenados pelos poderosos do mundo, apoteose em que se realizarão as palavras de Cristo — "as forças do mal não prevalecerão". 
Por quanto tempo continuará o homem sem compreender tudo isso? 
Quantos erros terá ainda de cometer e quantas dores terá de sofrer, antes de abrir os olhos para ver á substância da vida? 
O homem continuará a rebelar-se contra a Lei, a fechar-se no seu egoísmo, a conceber a vida só individualmente, enquanto a Lei arrasta o mundo para a fase orgânica, em que os elementos das grandes coletividades colaboram fraternalmente. 
Quantas lutas serão ainda necessárias para se chegar à compreensão recíproca e assim coordenar os esforços de todos para comuns finalidades de bem? Quantas experiências dolorosas serão ainda necessárias para se aprender a não provocar as reações da Lei?
A LEI DE DEUS -Autor: Pietro Ubaldi