https://www.facebook.com/ http://pensador.uol.com.br/colecao/masgalos/

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tudo se liga, tudo se encadeia, tudo se harmoniza na natureza;


...tudo segue uma lei lenta e progressiva, não que Deus hesite ou tenha necessidade da lentidão, mas porque as sua leis são tais e que são imutáveis. Aliás, o que chamamos lentidão, nós, seres efémeros, não o é para Deus para quem o tempo nada é.

A Humanidade, considerada coletivamente é comparada ao indivíduo; ignorante na infância, ela se esclarece à medida que avança em idade; o que se explica naturalmente pelo próprio estado de imperfeição em que estão os Espíritos para o adiantamento dos quais essa Humanidade foi feita; mas quanto ao Espírito considerado individualmente, não é numa só existência que ele pode adquirir a soma de progresso que está chamado a cumprir; é porque um maior ou menor número de existências corpóreas lhe são necessárias, segundo o uso que fará de cada uma delas. Mais ele terá trabalhado para o seu adiantamento em cada existência, menos terá que sofrê-las. E como cada existência corpórea é uma prova, uma expiação, um verdadeiro purgatório, tem interesse em progredir o mais prontamente possível, para ter a sofrer menos provas, porque o Espírito não retrograda; cada progresso cumprido por ele é uma conquista assegurada que nada poderia lhe tirar. Segundo este princípio, hoje averiguado, é evidente que quanto mais ele caminhar depressa, mais cedo chegará ao objetivo.

O poder divino explode em todas as partes deste conjunto grandioso, e quer-se-ia que, para melhor atestar seu poder, Deus, não contente disso que fez, viesse turbar esta harmonia! (...)

...tudo é milagre na natureza, porque tudo é admirável e testemunho da sabedoria divina! Estes milagres são para todo mundo; para todos os que tenham olhos para ver e ouvidos para escutar, e não ao proveito de alguns. Não! Nunca há milagres no sentido que se toma desta palavra, porque tudo evidencia leis eternas da criação. 

Pesquisa feita nas obras básicas do Espiritismo.